MULHER COM BRÂNQUIAS - PATRÍCIA BAIKAL




"A gente vai engolindo tanta pedra, terra e mato que uma hora o corpo para de funcionar. E só depois de colocar tudo pra fora é que voltamos a respirar aos poucos, tossindo poeira e resistindo aos destroços que restaram."


Existem histórias que nos surpreendem quando delicadeza em lugares que não estávamos esperando. Ser pego de surpresa de um jeito positivo é um dos melhores sentimentos que existem. Com Mulher Com Brânquias foi exatamente assim, quando dei por mim já estava imersa dentro de uma história tão delicada que machuca. 

A Patrícia Baikal, autora nacional independente, escancara o nosso peito nos contando de forma leve, quase como um sussurro daqueles que causam arrepios, a singela e surreal história da Rita. Essa personagem marcante é uma professora universitária que, no meio da aula, tem uma visão totalmente fora do comum. 

"Quando a sombra desceu para o centro da sala e se transformou em dois olhos negros esfumaçados, larguei a caneta e sentei. Ao redor dos olhos sem pálpebras que tinham o tamanho das minhas mãos, foram aparecendo, aos poucos, escamas acinzentadas brilhantes sobre um corpo de três ou quatro metros de extensão."

A partir disso, Rita começa ter essa visão do peixe gigante com frequência enquanto uma série avassaladora de fatos vai transformando sua vida. Ela começa a ver sua pele e seu corpo todo mudando, brânquias começam a nascer, ela sente e vê a sua transformação. A Rita também sente que precisa buscar ajuda, no entanto, ninguém mais consegue enxergar essas brânquias, ninguém presencia essas visões e ela fica tomada por uma dúvida desconcertante (a pior de todas, na minha opinião): estou perdendo a minha sanidade?

"A lógica do mundo parecia estar me virando do avesso, trocando o chão pelo teto e me fazendo duvidar da minha própria sanidade." 


Esse livro me conquistou por diversos motivos e vou destacar alguns aqui. Além da narrativa ter um tom que me agradou completamente e me fez ficar submersa junto com a personagem, não posso deixar de comentar que esse lance da sanidade é foi um grande destaque. Esse livro me lembrou de outros dois livros: A Garota Submersa e As Águas Vivas Não Sabem de Si, engraçado é que esses livros também tem a ver com água, mas não é somente por isso que essa relação surgiu. Essas três leituras exploram personagens que estão enfrentando fases difíceis da vida, transformações, mudanças internas e externas. Mas o fato que une todas essas histórias aqui dentro de mim é justamente esse lance loucura e essas histórias se tornaram muito marcantes na minha vida por conta disso. Esse sempre foi um tema que me chamou muita atenção. Adoro refletir sobre as particularidades da realidade de cada um. 

Outro grande destaque é o caminho da personagem para o autoconhecimento. Eu tenho me relacionado com várias coisas que abordam esse assunto atualmente, talvez seja uma questão de energia ou mensagens do universo, vai saber. A verdade é que cada uma dessas coisas que surgiram sobre autoconhecimento me proporcionaram um aprendizado muito grande. Com esse livro não foi diferente. Achei lindo e tocante a forma como a autora trilhou a história da Rita e o desenvolvimento final foi marcante a ponto de me deixar olhando para as paredes por alguns minutos, meio perdida entre mundos que não consegui entender.

"Eu gostava de me ver assim, no detalhe de cada parte de mim. Sabia exatamente o lugar de cada pinta que tinha do calcanhar até a nuca e me orgulhava disso."

Espero que você queira conhecer melhor a mulher com brânquias depois desse texto. Fiquei muito feliz em ter lido algo tão bonito, cheio dessa simplicidade e delicadeza avassaladora que conquista qualquer leitor, que nos faz questionar e olhar ao redor com outros olhos. Olhos de quem viu um outro mundo.

💛CLIQUE AQUI PARA COMPRAR O LIVRO



ENCONTRE A PATRÍCIA BAIKAL


Rita Zerbinatti, 26 anos, professora de arte, apaixonada por Ficção Científica, dias chuvosos, séries de TV e café. Quer saber mais? Clique 
aqui.






0 comments