CONCLUINDO O MÊS: AGOSTO | 2017


E lá se foi agosto! Parece que o mês mais longo do ano passou rápido, 2017 está voando! Mas não adianta, não consigo gostar muito desse mês... Um dos problemas com agosto é que eu volto pro trabalho, e voltar pro trabalho depois de um mês férias é sempre meio cansativo, por isso me sinto meio esgotada o mês inteiro. Esse ano não foi diferente e eu percebi que afetou um pouco o meu ritmo de leitura, mas ainda assim segui firme e forte, sempre lendo nos horários disponíveis e tentando aproveitar o máximo das leituras.

Muito do que acontece é que a gente deixa se levar pelo cansaço, acaba largando uma coisa aqui, outra ali, começa um livro aqui e não termina, começa uma série legal mas também enrola... Essas coisas que a gente sabe bem. Isso acontece mesmo, às vezes o cansaço vence, mas temos que seguir lutando por aquilo que desejamos. Durante esse mês, a maioria dos dias que chegava em casa depois da escola só queria duas coisas: deitar e dormir, de tão cansada, mas sabia que se fizesse isso não conseguiria ler nada depois (até por que eu não acordaria tão cedo, sou muito dorminhoca, hihi) portanto, tentei ao máximo não me deixar levar, não desviar. E não dormir para sempre, pois confesso: era era a minha vontade. Enfim, esse post não é pra falar sobre cansaço etc, vamos ao que interessa: os livros lidos de Agosto :) 


A Clarice sempre foi responsável por me fazer me olhar do avesso. Ela parece criar buracos negros dentro de mim. E eu, claro, adoro esse tipo de coisa, devo confessar. Ler A Paixão Segundo G. H. foi algo profundo, inesquecível, extremamente marcante. É marcante por que a personagem principal, a G. H., está num momento de crise existencial, de angústia profunda e acompanhar isso é estarrecedor. É aquele tipo de leitura que uma vez que entrou em você, não sairá... nunca sairá. Você vai passar por tudo na sua vida, e o livro, a história, a G. H., a Clarice, vão te acompanhar. A minha experiência foi profunda a esse ponto, sei que agora tenho isso dentro de mim. E gosto, sinto que esse livro me transformou. 

Muita gente comentou que não conseguiu ler por achar nojento demais, que teve enjoo, passou mal... Eu ouvi de tudo. Felizmente não tive nenhuma dessas sensações, sempre é muito difícil um livro me atingir dessa forma, mesmo esse. Ele me atingiu pelo lado existencial, pelo lado filosófico. As cenas nojentas, ao meu ver, foram necessárias e certamente não olharei para uma barata com os mesmos olhos. Para finalizar: não sei se esse é um livro que vou recomendar assim, para todos. Acho que não, mas se tiver curiosidade, tente. Clarice sempre vale a pena para uma alma que não é pequena.

Esse foi o livro mais "nhé" que li em agosto. Eu adoro o Daniel Galera, li e me apaixonei por Barba Ensopada de Sangue, quero muito reler, mas o Meia-noite e Vinte já não me despertou dessa forma. A história é boa e nos é contada de um jeito bom, o jeito Daniel Galera, um jeito gostoso, fluido, interessante, diferente. Mas, talvez por ter lido Clarice anteriormente, parecia que eu não conseguia entrar na sintonia, não conseguia muito bem pegar o tom. Conseguem me entender? Às vezes acontece, por isso eu digo: o problema não é o Galera, o problema sou eu. Ainda assim, ao finalizar a leitura pude reconhecer que tinha em mãos um boa história, e que tinha gostado, mas com certeza não foi o momento. 

Sim, eu terminei It! Em agosto eu consegui ler mais de 500 páginas dessa belezinha, conseguindo chegar até o tão criticado final. Só digo que: cada página valeu a pena. A história é incrível, os personagens são mais incríveis ainda, e mesmo o final tendo me surpreendido de uma maneira não positiva, eu aceitei. Peguei na mão do King e aceitei o final, até por que a jornada toda foi muito especial, muito maravilhosa, não ia deixar o final ser estragado. Não posso dizer que gostei do final, mas também não digo que detestei. O que fica é: leia esse livro, encare seus medos - seja de palhaço, ou de calhamaço, ou aquele medo de ter medo, sabe? - esquece isso e se joga! Essa história é muito legal para ser jogada de lado por conta do medo, se tem vontade de ler, se tem aquela curiosidade, vai fundo! Muita gente me perguntou: mas vale a pena ler It? Gente, CLARO! Ao menos, vale a pena tentar. Nunca podemos desistir de algo sem antes tentar, não é mesmo? 

Só para deixar claro: eu amei esse livro! 

LIVROS DE EDITORAS PARCEIRAS


Que livro surpreendentemente bom! Temos aqui uma história voltada para um público mais juvenil, mas não se enganem, esse livro vai derreter teu coração experiente de adulto. Eu consegui me entregar completamente à história, curti cada pedacinho e vários detalhes que a autora apresentou dialogou comigo de uma forma muito única. Os personagens principais, que são crianças, me conquistaram muito, toda a relação dos personagens com a música também foi algo que me impressionou e emocionou bastante. Fica a dica de um livro precioso, uma história linda com personagens cativantes que você não irá esquecer. Para mais detalhes, leia meu texto aqui. 

Outro livro muito bom, daqueles que entra pra lista de favoritos do ano! Eu já esperava que iria gostar da Shirley Jackson como escritora, mas aconteceu que eu simplesmente me apaixonei. Nessa história vamos acompanhar 3 personagens principais que fazem parte da família Blackwood: a Constance (irmã mais velha), a Merricat (irmã mais nova) e o Tio Julian. Eles foram os únicos sobreviventes de um assassinato que a família sofreu, com isso, eles são mal vistos pelo povo da cidadezinha onde moram. As pessoas tem medo e raiva deles, uma terrível mistura de sentimentos. E cada um desses personagens sobreviventes tem suas particularidades e seu lado na história do assassinato, causando aquele clima de suspense durante a leitura. Aliás, esse livro tem aquele climão, os personagens são perturbados e perturbadores. Uma leitura intensa, intrigante. Saiba mais lendo meu texto! 

Também escrevi um texto aqui no blog para esse livro, foi uma leitura rápida que curti bastante. Especialmente por me fazer pensar sobre minha relação com os livros, e claro, a história foi escrita pelo Stephen King, portanto, com certeza vale a pena! É divertido, sangrento e tem um personagem super legal. Se você está procurando algo assim, essa é uma ótima opção! 

Sinto que não importe o que eu escreva, nunca vou conseguir transmitir exatamente meu amor por esse livro. No seu pescoço é um livro de contos dessa autora Nigeriana ma-ra-vi-lho-sa, o mundo tinha que parar agora para conhecê-la! A maioria de seus contos trazem histórias de nigerianos que tem alguma relação com os Estados Unidos, seja por ter aquele sonho de ir morar lá, ou por já morar lá e ter que enfrentar uma série de questões... Ela aborda, e de forma brilhante, toda essa coisa do "ser estrangeiro", a diferença entre as culturas e as dores e desamores de ficar longe do lugar que ama, de sofrer preconceito pela cor ou pelo modo de falar. No entanto, não é apenas sobre isso, ela nos leva a refletir sobre as nossas ações e repensar alguns temas interessantes como: preconceitos, machismo, divergências culturais, racismo. Ah, como esse livro é bom! E além disso, ela consegue fazer uma contextualização muito boa do cenário político e cultural do local em apenas um conto. Essa mulher tem poder, ela é genial. Fica uma super dica, não deixem de conferir! 





Rita Zerbinatti, 25 anos, professora, apaixonada por Ficção Científica, dias chuvosos, séries de TV e café. Quer saber mais?Clique aqui.



Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.