UM HOMEM CHAMADO OVE - FREDRICK BACKMAN


Nem sei como começar a escrever sobre esse livro. Quando terminei o livro Um Homem Chamado Ove. por Frederik Backman, tive uma vontade imensa de abraça-lo. Aqueles que me conhecem sabem como sou fã de New Girl, e o personagem desse livro é a versão mais velha do Nick Miller! Como não se apaixonar pelo Ove?

Ove tem cinquenta e nove ano e não gosta das pessoas. Ninguém mais sabe trocar pneu, escrever á mão ou usar chave de fenda. É o tipo de pessoa que compra a mesma marca ano após ano e acha que ser fiel aos ideais é a única maneira de viver uma vida boa. Ele é teimoso e nunca admite que está errado.

Após um momento muito dificil na sua vida, ele está preste a tomar uma decisão louca quando uma nova familia estranha muda pra vizinhança. Eles os ajuda a dá ré com um reboque e o mundo dele é virado para cabeça pra baixo. Pelo menos isso é o que ele crê.

Assim começamos a ver as aventuras que o Ove se mete sem querer, mas sem querer mesmo, e com seu jeito rabugento, você não consegue ler sem dar risada. Ele é forçado através de diferentes situações, a sair da sua zona de conforta e ver as pessoas de outra forma. Ove nos mostra que há diferentes formas de mostrar carinho e fazer as amizades. É realmente impressionante como ele se relaciona com personagens diferentes. 

Ele não muda na história, não desiste dos seus princípios e não dar o braço a torcer. Não só vemos que é possível fazer a diferença de formas alternativas, mas aprendemos que não se deve julgar as pessoas pela seu mau humor.


Me identifiquei muito com o Ove. Tem um capitulo no livro que ele comenta sobre a sociedade em que ele vive. Como ele já não sente que faz parte dela. As vezes tenho esse sentimento, que de alguma forma, eu não encaixo. Mas não somos todos que nos sentimos assim? A falta de permanência, de ver que tem alguma coisa errada com o mundo ao nosso redor, e que muitas vezes nos vemos impossibilitados de mudar algo.

Mas o que pude aprender do Ove, que apesar das circunstâncias, do nosso entorno, a formas de melhor-la e fazer dela um lugar menos ruim de se viver. E talvez, se um dia conhecemos o Ove, ele pode nos elogiar, dizendo, "você não é um completo idiota."

 
27 anos. fotógrafa. cidadã do mundo. amante de viagens, café e bolo. Um pouco viciada com as séries! muitas vezes sou confundida com indiana.

Me acompanhe por aí: 

2 comentários:

  1. Sempre fiquei muito curioso em ler esse livro! Lembro que foi o divisor, muitas pessoas gostaram e outras não tanto; futuramente irei lê-lo para tirar minhas próprias conclusões.

    Abraços! <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim! Eu sempre tento fazer o mesmo. Mesmo se o livro não teve boas criticas, prefiro tirar minhas próprias conclusões! Abraços!

      Excluir

Tecnologia do Blogger.