ARMADA - ERNEST CLINE


Sempre é difícil tentar expressar meus sentimentos com relação aos livros de Ficção Científica. Especialmente aqueles que tem alienígenas como tema principal. É difícil de explicar o porquê isso me atrai tanto, mas atrai, e muito. Durante toda a minha infância, não me lembro de não ter ficado fascinada, e muitas vezes obcecada por essa temática. Continuo do mesmo jeito. Portanto, logo que vi esse livro me interessei muito, a empolgação tomou conta. Mas afinal, Armada e Ernest Cline são especiais mesmo ou é só aquele hype? 

Antes de tudo, vou dar aquele belo resumo da história: um adolescente, daquele tipo ordinário, viciado em games, com problema familiar, revoltado e que gosta de rock, descobre que o planeta está prestes a ser invadido por uma terrível raça alienígena. E nosso jovem Zack vai finalmente viver uma grande aventura, daquele tipo que a gente (os nerds de plantão) vive sonhando: salvar o planeta. A parte legal é que não irão salvar o planeta treinando e lutando pessoalmente contra os malditos aliens, vão salvar o planeta com um controle de vídeo game em mãos. Essa é uma das referências à Ender's Game - O jogo do exterminador, do Orson Scott Card (livro que estou lendo no momento). 

Interessante ressaltar que todos os nerds de plantão que lerem esse livro irão se identificar com o Zack, pois conhecemos através de livros, séries e filmes, universos incríveis e vivemos grandes aventuras com os personagens. No entanto, nossa vida real é bem sem graça. Portanto, assim como o Zack, eu também sonho com uma aventura fantástica onde salvo o planeta de alienígenas medonhos, ou descubro (finalmente) meu super-poder, ou até mesmo me imagino dando umas voltas galáxia à fora com o Doctor e sua Tardis. Ou ainda, receber aquela famosa cartinha de Hogwarts. Quem nunca ficou se imaginando nessas situações, ou secretamente tem aquela forte esperança de alguma coisa assim vai acontecer. (Esse é o momento em que imagino todos vocês, leitores, concordando comigo, por que né, não quero ser a única doida aqui). Logo, ver o Zack realizando esse sonho de viver uma grande aventura é no mínimo, mega empolgante.  

Mas ok, depois disso tudo, volto a fazer aquela pergunta: Armada e Ernest Cline são especiais mesmo ou é só aquele hype? Bom, para começar essa conversa, temos que falar sobre o autor. O Ernest Cline é o mesmo autor de Jogador Nº 1, um livro mega hypado e que logo vai virar filme. Eu mesma li, tem resenha para esse livro, gostei bastante. Fui ler Armada ansiosa para ver o que o autor iria me apresentar, mas logo percebi que foi basicamente a mesma coisa que Jogador Nº1 mas com um cenário diferente. Senti que o autor não teve uma voz diferente e isso causou uma sensação estranha. 

Além disso, aquelas milhares de referências também estão presentes em Armada, igualzinho Jogador Nº 1, a diferença são os temas. Eu adoro essas referências e claro, aproveitei várias, mas ainda fiquei com aquela sensação de "poxa, de novo, a mesma formúla...". Blá, blá, blá. Fiquei um pouco decepcionada com isso, no entanto, como disse lá em cima, dificilmente não me deixo levar por esse tema. Então, mesmo tento a mesma receita que Jogador Nº 1, Armada me divertiu e me empolgou. 

Por fim, chego a conclusão de que nem Armada, nem Ernest Cline tem algo de especial, pelo menos na minha opinião. Um autor que escreve um livro muito bom e logo em seguida escreve outro na mesma fórmula não é meu tipo de autor. Foi empolgante, mas também foi previsível e muito semelhante ao Jogador Nº 1. 






Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.