JURASSIC PARK - MICHEAL CRICHTON


Antes de tudo tenho que dizer que sempre fui muito fã de dinossauros. Tenho 2 irmãos que quando crianças ganhavam dinossauros incríveis enquanto eu ganhava bonecas, é claro que eu adorava minhas bonecas, mas aqueles dinossauros! Ah, os dinossauros! E sim, eu pegava os dinos pra brincar (e muito). Com isso, tive uma infância cheia de dinossauros para me entreter. Sem contar o filme, Jurassic Park que eu simplesmente amava!

E não foi com poucas expectativas que eu peguei o livro Jurassic Park, escrito por Michael Crichton em 1990. Esse autor é conhecido por escrever Thriller Tecnológico, além disso, ele era formado em medicina, tudo isso significa que suas obras têm muitos detalhes técnicos que causam uma estranha sensação de realidade. Isso é bem assustador - pelo menos em Jurassic Park.

E afinal de contas, o que há de tão empolgante, de tão incrível nesse livro, hein? Além do fato de ter dinossauros - o que já seria o suficiente - tem ainda muita coisa legal, por exemplo, os personagens são tão reais, com atitudes e pensamentos inegavelmente reais, que muitas vezes eu quis simplesmente socá-los bem forte na cara. Mas vamos lá: Hammond, um bilionário, descobre como clonar dinossauros e diante disso ele pretende lucrar, é claro. Sendo assim, ele contrata uma excelente equipe, consegue vários investidores (que nem desconfiam do que esse maluco pretende fazer) e com isso, ele cria um parque de diversão com dinossauros. O parque foi construído em segredo na Costa Rica, na Isla Nublar. Isso é legal? Simmm. Isso é maluco? Simmm. Isso vai dar ruim? Simmm.

No entanto, alguns acidentes estranhos começam a acontecer na Costa Rica, e os investidores começam a se preocupar com o que o Hammond está aprontando por lá, sendo assim, para provar que o parque é um lugar extremamente seguro e controlado, Hammond convida algumas pessoas para visitar a ilha e se divertir, alguns especialistas, e claro, seus netos. Maravilhoso, não é mesmo? SQN.
Uma das pessoas que Hammond contratou foi o Malcolm, um matemático que chegou a conclusão de que tudo daria errado nessa ilha com base na Teoria do Caos. Essa teoria permeia o livro inteiro e esse personagem não fala, ele dá aula. Eu, particularmente, acho incrível todos os diálogos nos quais Malcolm participa. Com isso, a história não fica apenas nos dinossauros, mas ganha uma amplitude muito grande. A todo o momento nos deparamos com questões éticas e problemáticas científicas que tem um fundo de razão. Por exemplo: Malcolm diz que a ciência busca o conhecimento para controlar tudo, no entanto, existem coisas que não podemos controlar, mesmo com tecnologias avançadas.

Enfim, fazendo uma breve comparação com o filme: o livro é MUITO mais violento, muito mais sangrento. Como eu disse no começo do texto, o autor usa de muitos detalhes tecnicos para desenvolver a narrativa vi muitos comentários do tipo "tem que ter um estômago forte", na minha experiência eu não senti isso mas pode ter certeza que tem cenas bem sangrentas, com muitas tripas saindo pra fora. Além de ter esse lado muito sombrio, cru e violento, a história te leva para esse caminho da reflexão, o que é simplesmente sensacional. Único ponto negativo: personagens femininas fracas, poxa, isso sempre me decepciona. Mas tudo bem, o livro é excelente!


Se você procura uma leitura intensa, rápida, cruel e profunda, e claro, com muitos dinossauros, Jurassic Park é o livro perfeito. Diversão garantida, não tenha dúvida! Se você já leu, me conta o que achou!




Um comentário:

  1. Li esse livro quando tinha 16 anos, e amei, é muito emocionante! É como se estivesse realmente lá! Muito muito bom!

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.