Dissonantes - Sergio Keuchgerian

Quem me acompanha sabe que adoro fazer um projeto. Esse ano em especial eu extrapolei e comecei a realizar vários, e apesar da quantidade de projetinhos estou conseguindo alcançar os objetivos. Tenho um projeto de ler um livro nacional por mês, decidi fazer isso pois acumulei vários livros nacionais e simplesmente não os lia, deixava pra depois. É claro que me dei conta de que deveria valorizar também a literatura produzida aqui no Brasil, e tinha certeza que de um projeto iria me animar para me aventurar mais nos livros nacionais. 

Com as leituras fui me dando conta de como ler autores brasileiros estava se tornando uma necessidade e além disso, uma experiência incrível. Todos os meus projetos me incentivam, me animam e me cativam, mas esse se tornou uma paixão. Tenho lido livros incríveis, inclusive o livro desse mês, que foi o Dissonantes do autor Sergio Keuchgerian, que apesar do nome difícil é paulistano como eu. Ele é um viajante, já morou na Áustria e em Paris. E deve ter sido por conta disso que se inspirou para escrever uma história de um casal que viaja para capital da Áustria, Viena. 

Nessa história, conhecemos Mário e Anna, um casal que se conheceu na Áustria quando eram jovens estudantes. Mas na verdade eles compunham um trio: Mário, Anna e Renato, os três se envolviam amorosamente, se amavam. Apesar disso, Mário e Anna se sentiram abandonados quando Renato partiu. Acabaram ficando juntos, se gostavam e voltaram para o Brasil. No entanto, algo parecia fora do lugar mesmo depois de muitos anos lado a lado. O casal já não tinha contato com Renato, ele havia simplesmente desaparecido, deixou tudo pra trás. Porém, Mário e Anna resolvem voltar para Viena, onde tudo começou, para descobrir o que estava incomodando e quem sabe curar esse mal.

É aí que as coisas se complicam, pois Anna não está em um bom momento, Mário também não. E passear pela cidade onde viveram tanta coisa acabou trazendo de volta milhares de lembranças, teriam que aprender a conviver com isso. No entanto, o relacionamento deles começa a afundar, se destruir. A história parece estar infestada de angústia, de tristeza. Aquele tipo de coisa que vai pesando aos poucos, e você percebe que fica muito pesado pra carregar sozinho. Porém, também se trata de uma história em que os personagens comem o pão que o diabo amassou, mas ela tem a capacidade de revigorar nossas esperanças. É muito lindo. 

Adoro esse tipo de história que nos leva no fundo do poço, e aos poucos vai nos colocando de volta ao lugar certo. Eu devorei cada página com um sentimento de vazio muito grande, uma angústia crescente. O autor consegue nos colocar ali, na pele dos personagens, naquela capital faminta por sentimentos e lembranças. Me vi uma estrangeira, uma terra nova estava ali se despindo diante de mim. Não me refiro apenas à Viena, mas também aos personagens. 

A narrativa é extremamente simples, poética e tocante. A história nos envolve da melhor maneira possível, nos fazendo sentir o que o personagem sente, nos afligindo. Eu recomendo fortemente a leitura desse livro, é uma experiência muito bonita e emocionante, cheia de referência à música clássica, com uma climatização mais que perfeita de um lugar frio, querido e solitário. Dê uma chance, você dificilmente irá se arrepender. 

"A Filarmônica de Viena executa a nona sinfonia de Beethoven. Aumento o volume da televisão com o intuito de fazer valer um velho desejo: que essa música penetre em meus miolos e interfira para sempre em meu fluxo mental. Algumas vezes imaginei ter chegado bem perto disso. Pensei poder senti-la acessando códigos secretos de minha mente. Transformar angústia em esperanças, dúvidas em certezas. Sempre que a escuto sou acometido pela vontade de crer que ela tenha esse poder.(...) Fecho os olhos. Convido o som a entrar em meus ouvidos."

Puta que pariu (perdoem o palavreado) mas isso foi lindo!

4 comentários:

  1. Que post lindo, Rita! Eu acho bem bacana esses livros que nos levam para um país diferente, pois de uma forma ou de outra, acabamos viajando também haha ótima recomendação!
    Abraços :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, querido! Também acho incrível esses livros que nos levam pra um lugar diferente, uma cultura diferente, eu me apaixono!
      Obrigada <3

      Excluir
  2. Você me deixou bem curiosa com esse livro, Rita! Estou louca pra ler Os Luminares também, que eu vi no snapchat que você está lendo, mas esse acho que só pro próximo ano. =)
    Beijinho!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lua, linda!
      Fico feliz de ter despertado seu interesse, esse livro é belíssimo e bem melancólico. Adoro isso.
      Ah, Os Luminares está sendo um caso de amor eterno haha! A leitura está super valendo a pena! :D
      Beijão! <3

      Excluir

Tecnologia do Blogger.