A Vida Privada das Árvores - Alejandro Zambra

Alejandro Zambra é um escritor chileno, que tem se destacado no cenário literário por escrever obras tão recheadas de sentimentos em poucas páginas. Gosto muito disso, do fato dele usar poucas palavras para compor um romance. Além das poucas palavras, Zambra também adora repetir as coisas. E a gente adora isso também. Com essas repetições Zambra não nos julga infantis, essas repetições não atrapalham a leitura, acaba se tornando uma característica importante, que de certa forma nos conforta, nos atrai. Confesso que eu achava que ficaria irritada com isso, mas na verdade, eu estava adorando cada vez mais. Inclusive já delcarei meu amor pelo autor aqui, escrevi sobre Bonsai, o primeiro livro dele, clique aqui pra ler.

No livro A Vida Privada das Árvores, é repetido algumas vezes que a história vai acabar assim que a Verônica chegar em casa, ou quando Julian perceber que ela não vai voltar mais. Júlian está esperando sua mulher, Verônica, voltar da aula de desenho. Enquanto Verônica não volta, ele distrai a enteada, Daniela, contando histórias sobre a Vida Privada das Árvores. Essas são histórias que ele inventa, pois ele é escritor. Na verdade, ele é professor durante a semana, escritor só aos domingos.

No entanto, Júlian começa a se preocupar com a demora de Verônica e começa a inventar histórias como desculpas para esse atraso dela. Qualquer coisa poderia acontecer pra ela se atrasar, realmente. E no meio desses devaneios, ele começa a investigar o futuro, que se mistura com lembranças. É uma narrativa muito poética e muito crua. Zambra não faz rodeios, ele tem um jeito todo especial de nos contar uma história simples.

Eu tenho que confessar que eu adoro essas histórias simples do cotidiano. São histórias que todos nós temos dentro de nós, muitas vezes não prestamos atenção, mas tudo que nos acontece no dia-a-dia pode virar um livro. Nas mãos do Zambra certamente pode virar um livro. Essas histórias comuns me transmitem um toque de melancolia apagada muito único. Acho que nosso dia-a-dia é cheio dessas pequenas melancolias de esperar alguém, por exemplo, e cheio de pequenas felicidades, como contar histórias inventadas na hora pra uma criança dormir. E assim vamos seguindo.

Esse livro é simples, poético, trite, tocante, emocionante. Poderia ficar aqui elogiando por muito tempo, pois realmente gostei dessa leitura e não tenho vergonha de não ser parcial. Me identifico muito com os livros desse chileno e sempre me envolvo muito, mesmo que por pouco tempo, pois são livros bem curtos. Simplesmente recomendo muito.

9 comentários:

  1. Eu ia ler Bonsai no clube do livro que o Thiago participa, mas não consegui ler na época. Você falou com tanto amor do livro, não tem como não procurar ele para ler depois disso! <3

    ResponderExcluir
  2. Bonsai é lindo! Você deveria ler sim, eu sou meio suspeita pra falar, amo muito!
    Beijão, querido!

    ResponderExcluir
  3. Oi Rita, você sabe o quão louco eu sou pra ler os livros do Zambra *-* Acho que será uma das minhas próximas leituras hahaha Esses livros tão fininhos devem ser rápidos de ler e com uma história incrível pra contar, né? Adorei o post <3
    Abraços :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, você vai adorar! Zambra é tudo de bom! :D
      Obrigada, querido! <3
      Beijos!

      Excluir
  4. Rita, querida! Mais um que entra pra minha listinha de leituras por sua causa. Pelo que você falou do livro, ele parece ser uma crônica um pouco maior ou mais explorada. Não sei, foi essa a minha impressão. Eu também adoro essas histórias do cotidiano, acho super fácil de me identificar com elas.
    As fotos ficaram lindas!!
    bjs!! :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahaha essas nossas listinhas são uma loucura né?! Sim, faz sentido o livro parecer uma crônica maior! Adorei a colocação, não tinha pensando nisso ahha
      Obrigada, querida!
      Beijão!

      Excluir
  5. Eu ainda não havia ouvido falar do autor. Depois dessa resenha tão apaixonada, acho que é obrigação caçar o livro pra ler, hahahaha Eu tenho toda uma afeição pelo modo como os autores contam suas histórias, e pelos seus comentários, acho que gostarei especialmente da narrativa do Zambra

    Obrigada pela resenha maravilhosa,
    Abraço

    ResponderExcluir
  6. Olá, Ritaa! c:
    Admiro muito essa capacidade de transformar situações do dia a dia em histórias também, é gostoso de ler por ser algo com que a gente se identifica, né? Esse autor parece ser incrível, lembro de ter ficado interessada quando li a sua resenha de Bonsai. Que edição mais linda - a Cosac sempre arrasa - e amei as fotos. Beijo! <3

    ResponderExcluir
  7. Eu li num dia.... pelo tablet! adorei!!!!num fôlego só!!!! poW!!

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.