Cidades de Papel - John Green

Cidades de Papel é um livro Jovem Adulto escrito por um dos autores contemporâneos mais legais e interessantes, o querido John Green. Sem dúvidas o planeta inteiro conhece esse nome, tenho certeza que já ouviu falar dele. Seus livros voltados para o público jovem tem feio enorme sucesso e dois deles já foram parar nas telonas, inclusive Cidades de Papel. O outro é A Culpa é das Estrelas, que você certamente já ouviu falar. Mas vamos conversar um pouco mais sobre o livro Cidades de Papel?

Sempre que leio livros que são voltados para o público jovem, tento vestir minha capa de adolescente e ler sem grandes pretensões. Sim, eu sou jovem (tenho 23 anos) mas já não me identifico com os personagens, já vivi aquele momento de escola e faculdade. Hoje em dia minha praia é outra. Eu sei que tem muita gente com a mesma idade que eu e que se identifica com esses livros Jovem Adulto, mas isso é uma questão pessoal, então no meu caso eu preciso vestir minha capa de adolescente para aproveitar a leitura.

Cidades de Papel vai nos contar a história do Quentin, um bom menino, estudioso  e dedicado que é muito apaixonado pela Margo, uma garota meio fora dos padrões. Ela é popular na escola mas não parece ser tão legal, ela tem atitudes de adolescente revoltada, ela foge de casa e namora um colegial bem babaca. Ao mesmo tempo que ela tem atitudes típicas de adolescente, ela também consegue ser muito diferente. Confesso que minha relação com essa personagem foi um tanto quanto perturbadora: ora gostava, ora detestava. Porém, é uma personagem muito bem desenvolvida ao longo da história, ela faz toda a diferença na nossa vida e na vidas dos personagens dentro do livro.

Margo e Quentin se conhecem desde crianças mas não se falam mais, mesmo sendo vizinhos. Porém, de repente Margo aparece no quarto dele pedindo para acompanhá-la em uma grande aventura. Eles passam a noite toda aprontando com os colegas (por vingança), coisas sem noção bem típico dos adolescentes. E depois disso, depois dessa grande aventura, Margo some. E seu sumiço vira obsessão para o Quentin pois ele quer achá-la a qualquer custo. E assim começa a segunda grande aventura – e agora o Quentin tem a companhia de seus melhores amigos e não da Margo, é claro.

Essa história possui algumas partes interessantes e empolgantes, creio que dá pra refletir bastante sobre algumas questões que são apresentadas, mas no geral me cativou pouco. Como eu disse, preciso vestir minha capa de adolescente pra ler esse tipo de livro mas as vezes nem isso ajuda. Eu já estava achando esse livro meio sem açúcar desde o começo e depois foi só ficando ainda mais sem graça. Acho que pode ser um livro muito legal para quem é adolescente, para quem está nessa fase pode ser um livro cheio de ensinamentos e referências bacanas. Mas como eu disse, eu realmente não estou nessa vibe. No entanto, sempre me interesso pra ler esse tipo de livro justamente porque trabalho com adolescentes, então acaba sendo válido nesse sentido.

Portanto, Cidades de Papel é um livro que recomendo aos adolescentes e aos adultos que querem se distrair com um livro leve com clima de suspense.

Mais informações:
Titulo: Cidades de Papel
Autor: John Green
Editora: Intrínseca
Páginas: 368
Saiba mais

7 comentários:

  1. Estava esperando você falar esse livro! Pois é, é o primeiro que eu leio do John Green, e pra falar a verdade, eu me surpreendi, não que esse seja aquele tipo de livro que muda minha vida, ou coisa do tipo, mas até que gostei de alguns personagens, e me identifiquei com o Quentin. Já a Margo... digamos que ela seja bem construída e tal, mas achei as atitudes dela -SPOILER- principalmente no final, meio nada a ver, e egoísta. Pra que deixar pistas para o Quentin se não quer ser encontrada? É claro que o livro explicou isso, mas eu não engoli essa explicação -FIM DO SPOILER- Concordo quando você diz que da pra refletir sobre algumas passagens do livro, e concordo ainda mais que esse livro vai agradar principamente aos adolescentes. Acho que principalmente para os que estão no terceiro ano do ensino médio, que logo irão se separar dos amigos, recomendo o filme, que retrata essa realidade melhor que o livro, que acaba focando muito mais em Quentin Procurando Margo Igual um Louco.
    De qualquer maneira, fiz uma resenha no meu blog sobre o livro e o filme também: sucraloseeletrica.blogspot.com.br/2015/07/eu-john-green-e-as-cidades-de-papel.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adorei seu texto! :D
      E também achei muito sem noção as atitudes dela no final.. =/
      Beijos!

      Excluir
  2. Também estou meio sem paciência para livros com adolescentes americanos ... alguns ainda dá pra ler, mas outros são insuportáveis... De toda forma, um que quero ler desse gênero é As Vantagens de ser Invisível... não sei se vou gostar, mas achei o flime divertido.
    Abraços!!
    Alexandre do blog Do Que Eu Leio
    @doqueeuleio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu adoro As Vantagens de Ser Invisível!!! Tenta, de repente rola né... a gente tem essas fases, as vezes esses livros simplesmente não descem né.
      Beijos!

      Excluir
  3. Oi Rita!! a opinião geral que as pessoas tem desse livro não costuma ser muito boa, por isso não me empolguei ainda pra ler. Se a história é muito adolescente, também costumo ter uma certa preguicinha... mas concordo com o que você falou, precisamos lembrar de que o livro é para um público alvo diferente. Também não vi o filme, mas ainda pretendo assistir.
    Bjs :)

    ResponderExcluir
  4. Olaaá, Rita!
    Cidades de Papel foi meu primeiro contato com o John Green e eu não esperava muita coisa do livro. Acabei curtindo até certo momento, andava achando divertido, apesar de não me apegar aos personagens também. Mais pro fim, comecei a achar a história muito enrolada e entediante, as coisas estavam demorando demais pra se resolver e o final me decepcionou. De qualquer jeito, gostei de algumas coisas do mistério, só não de toda a enrolação HAUHAU Já disse que adoro suas resenhas? <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Isa queridaa! :D
      Pois é, também tive essas sensações com o final, bem nhééé. Também percebi uma enrolação mesmo, dá uma raiva disso né?! Mas valeu mesmo assim, foi legalzinho.
      Ah, obrigada sua fofaaa! Também adoro as suas! <3
      Beijos!

      Excluir

Tecnologia do Blogger.