A Terra Inteira e o Céu Infinito - Ruth Ozeki

 Pegando carona em um teoria exposta no livro sobre mecânica quântica, onde existem diversos mundos, diversas possibilidades (ideia que gosto de acreditar e apreciar), fico triste de imaginando um mundo onde esse livro, essa maravilhosa narrativa, simplesmente não existe. Pode parecer pretensioso começar a escrever sobre um livro dessa maneira, mas é a verdade. Portanto, sou feliz em estar nesse mundo e ter lido esse livro. 

Você pode estar pensando: teoria de mecânica quântica? Sim, nessa história você se depara com diversos temas, teorias, citações de filósofos importantes, elementos históricos, entre muitas outras coisas. Tudo isso para te mostrar, te fazer pensar sobre um tema que na minha opinião é muito assustador: o tempo. O tempo em si é ser, e todo ser é tempo... Em essência, tudo o que há no universo inteiro está profundamente interligado como momentos no tempo, contínuos e separados. 

 Nessa história, somos apresentados a uma adolescente japonesa chamada Nao, que escreveu um diário com a intenção de contar a história da sua velha bisavó Jiko, uma monja budista de 104 anos. Enquanto Nao tenta nos contar a história da monja, acaba focando na sua vida pessoal. Viveu alguns anos no EUA com a sua família enquanto o pai trabalhava como programador em uma empresa. Entretanto, em um determinado momento, quando Nao achava que sua vida era perfeita, ele foi demitido e a família foi obrigada a voltar para o Japão. Podemos perceber que isso não é muito positivo aos olhos dos japoneses, eles não aceitam bem as pessoas que vem de fora para tentar a vida lá, mesmo sendo japoneses. Então, seu pai teve dificuldades de encontrar um novo emprego e Nao foi terrivelmente maltratada na escola por ser uma "estrangeira".

Por outro lado, acompanhamos também a história da Ruth, uma escritora que vive em uma pequena ilha no Canadá, no extremo norte do Pacífico, com seu marido Oliver e seu gato, Pesto. Esses são elementos biográficos que a autora inseriu dentro da ficção. Isso é simplesmente incrível, não acham? Um dia, Ruth estava caminhando na praia quando encontrou um saco muito bem embalado. Resolveu trazê-lo para casa e logo descobriu que era uma lancheira da Hello Kitty com alguns objetos dentro, inclusive um livro. Em Busca do Tempo Perdido. Pensou então se tratar do livro escrito pelo francês Marcel Proust, uma obra clássica e muito importante, porém, dentro não se encontravam as palavras de Proust, e sim da Nao. Esse era seu diário. Acreditam que esse diário chegou até a ilha no Canadá por conta da Tsunami, mas é apenas uma ideia, uma teoria exposta na narrativa, não sabemos exatamente. A princípio, Ruth não gostou da ideia de lê-lo, porém, com o tempo se entregou totalmente a leitura e isso se tornou meio que uma... obsessão. Ela ficou obcecada com a história da Nao, e queria muito descobrir se a Nao e sua família eram reais. Entretanto, sempre que tentava pesquisar sobre eles na internet, as informações desapareciam misteriosamente. 
"Minha velha Jiko diz que tudo acontece devido ao seu carma, que é uma espécie de energia sutil que você gera através das coisas que faz ou diz ou até mesmo pensa, o que significa que você tem que se vigiar e não ter muitos pensamentos devassos (...)"
 No começo, só gostava da parte do diário, porque além de ser muito envolvente pela história que nos conta, eu me apeguei a personagem logo de cara. A parte da Ruth era tão interessante quanto, mas só fui começar a perceber isso depois que vi que existiam muitas similaridades entre Nao e Ruth. Já me sentia obcecada feito a Ruth pela história toda. Também gostei da ideia das leitoras, pois existiram 2 leitoras em ação nesse livro, eu e a Ruth, que também estava lendo o diário junto comigo. Gostei de como essa ideia foi desenvolvida e além disso, teve uma outra ideia fantástica de questionar a existência da Ruth como pessoa real ou como personagem criada pela Nao. Enfim, tem muita teoria aí para se discutir.
"É muito abstrato. A velha Jiko tentou explicá-lo melhor, e não sei se entendi bem ou não, mas acho que significa que nada no mundo é concreto ou real, já que nada é permanente, e todas as coisas - inclusive árvores, animais, cascalho, montanhas, rios, e até mesmo eu e você - estão apenas fluindo por enquanto. Acho que é verdade, e é bem reconfortante (...)"
 Devo confessar que esse livro me virou do avesso. Já sou outra pessoa. E gosto dessas leituras intensas que te transformam em um ser humano melhor. Todos os elementos abordados nesse livro, desde o suicídio até os monges budistas com suas crenças e orações me deixaram encantada, emocionada, e até mesmo perdida. Perdida em um mundo que não compreendemos totalmente, perdida na esperança de compreendê-lo. Não posso expor aqui todos os meus pensamentos sobre esse livro, mas talvez te interesse saber que existem acontecimentos fantásticos, o toque leve da fantasia é muito bem desenvolvido. Mas, ainda estou me questionando um pouco sobre isso... Será fantasia mesmo? Existe essa linha muito tênue entre sonho e realidade. É uma narrativa poética e sutil. Belíssima. Existem também acontecimentos reais, como o 11 de Setembro, o Tsunami, terremoto e a Segunda Guerra Mundial. Isso tudo pra te devastar mesmo, essa foi a sensação que tive. Acima de tudo, é um livro devastador. Só que no bom sentido, uma devastação boa, que só a Literatura e a Arte proporcionam.
"Não pensem no tempo como algo que simplesmente voa e passa. Não compreendam o 'passar' como a única função do tempo. Se fosse verdade que o tempo simplesmente voa e passa, então existiria uma separação entre vocês e o tempo. Portanto, se vocês compreendem o tempo como algo que apenas passa, nunca serão capazes de entender o ser-tempo.
Para captar verdadeiramente a ideia, pensem que todas as criaturas que existem no mundo estão ligadas entre si como momentos no tempo, e ao mesmo tempo existem como momentos de tempos individuais. Porque todos os momentos são o ser-tempo, e eles são o seu tempo de ser."
Agora peço para que você clique aqui e assista esse vídeo lindo que ilustra um pouquinho da grandeza desse livro. Aliás, eu voto para que esse livro vire um filme, já que a escritora é também diretora de cinema.

Bem, todos esse conceitos sobre tempo fazem muito sentido, na minha opinião, e gosto muito de ficar pensando e viajando nessas ideias. Muito louco ou nem tanto? Então, se você leu esse livro, vamos trocar ideias, discutir um pouco sobre as teorias malucas que ficaram abertas para todas as interpretações. 
Mais informações:
Titulo: A Terra Inteira e o Céu Infinito
Autor: Ruth Ozeki
Editora: Casa da Palavra
Páginas: 464
Ano: 2014
Compre aqui

2 comentários:

  1. Antes de comentar, só queria dizer uma coisa: QUANTAS RESENHAS DE LIVROS SENSACIONAIS JUNTAS!! Quer dizer, livros que tenho muita vontade de ler e parecem ser MUITO sensacionais HUAHAUA Então aguarde comentários meus em muitas resenhas.

    Eu lembro de ter visto a capa desse livro antes e ter achado o título interessante, mas nem chegar a pesquisar sobre. Foi aí que vi uma resenha em vídeo da Lully de Verdade sobre ele esses dias e achei tão incrível a quantidade de assuntos que o livro aborda. Sua resenha ficou muuito boa e, nossa, me passou a sensação de que é uma daquelas histórias que ficam grudadas na sua cabeça pra sempre. Eu amo quando falam sobre tempo e sua complexidade, filosofia, ciência e coisas do tipo. Além de achar que esse livro será diferente de qualquer um que já li... Você já leu "Amanhã Você Vai Entender"? Bem, a história não chega a ser tão vasta como essa, mas fala bastante sobre tempo e de um jeito muito divertido e impressionante. Esse aí entrou pra lista de desejados, com certeza.

    (let-itbela.blogspot.com)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, que linda!

      Esse livro... nem sei o que falar, é sensacional. Super recomendo!
      Ainda não li "amanhã você vai entender", sempre tive vontade. Tenho ele no Kobo, de repente, leio antes do tempo já que você mencionou! ;D

      Beijos!

      Excluir

Tecnologia do Blogger.