Circo Mecânico Tresaulti - Genevieve Valentine


Confesso que quando o livro é muito bonito as minhas expectativas perante a história aumentam pelo menos 50%. Edições caprichadas e bem feitas são tudo de bom. Logo, espero que o conteúdo do livro se iguale a sua beleza externa. Isso não é algo positivo, devo aprender a não julgar um livro pela capa ( ou pela edição). E com esse livro aconteceu justamente isso. Não havia lido antes pois duvidava de seu conteúdo, apesar da edição lindíssima. Assim que o escolhi, li os primeiros capítulos e já estava falando mal. Desgostosa. Arrependida. Mas por questão de honra continuei a leitura. E disso não me arrependo, pois de repente, já não havia mais nada do que reclamar da narrativa. Estava tudo se encaixando, havia me apegado aos personagens e adentrei no mundo surreal das engrenagens.


Nos encontramos em um circo que viaja entre as cidades destruídas pela guerra, tentando ganhar a vida e encantar vidas, sempre fugindo do "homem do governo" que quer acabar com o circo. Porém, logo percebemos que não esse não é um circo comum, afinal a dona dele, Boss, parece ter uns poderes especiais oriundos de uma tatuagem de grifo. Ela pode acordar os mortos, trazê-los de volta. Ela tem a habilidade de construir seres humanos a partir de peças mecânicas. Em seu circo existem trapezistas com ossos de cano, maestro com quase todo o corpo mecanizado, engrenagens de todos os tipos. Entretanto, existe algo que faz brilhar os olhos de todos: as assas mecânicas. A história é a seguinte: Alec recebeu as assas de Boss. Elas foram primorosamente contruídas, como uma obra de arte. Ao bater das assas pode-se ouvir acordes perfeitos que encantam a todos, porém, essa assa maravilhosa também é feita de ossos humanos. Pessoas que já morreram e que a Boss pegou seus ossos emprestados para construir sua obra-prima. Isso levou Alec a loucura e ele acabou morrendo. O drama construído em torno do que aconteceu com o Alec é muito interessante, ficamos na dúvida: será que ele se matou ou simplesmente caiu? Além disso, tem uma certa magia no circo que prende as pessoas, poucos são capazes de abandoná-lo e aqueles que são mecanicamente modificados tem medo de deixar o circo e morrer por estar longe de sua criadora.

Chega ao circo uma nova trapezista, a Bird. O que ela mais quer é ter essas assas, e fará de tudo para obtê-las mesmo que isso signifique morrer. Seu parceiro, Stenos, também quer as assas e assim nos deparamos com uma competitividade que beira o amor. Mas quando digo amor não implico um romance bonitinho que sempre vemos por aí, isso não existe nesse livro. O amor que encontramos entre essas páginas é puro e mascarado, sincero e fundamental durante a história. Não é amor entre Bird e Stenos, é o amor que afunda todos dentro do universo circense. É o amor de Boss com seus companheiros e vice-versa. Me senti amada e amei. Falando assim nem parece que se trata de um livro sombrio, medonho e bizarro. Sim, bizarro. Tive dificuldades para imaginar pessoas sendo mutiladas e ganhando ossos de cano e engrenagens para sobreviver. É um livro rodeado por morte e assombro, mas ao mesmo tempo é envolvente e algumas vezes, poético. Me vi relutante com o começo, mas depois a história me ganhou completamente. Adorei o final, adorei o meio. Aprendi a conviver com o narrador da história, o George, e até gostar dele. E em um determinado dia, o homem do governo assiste ao espetáculo, se assusta com Bird (ela é mecanicamente modificada) e esse homem resolve levar Boss embora, para arrancar dela essa habilidade de reviver os mortos e modificá-los. E a partir disso o circo se quebra, com sua líder presa como poderão sobreviver ? Devem ir buscá-la ou deixá-la resolver a situação sozinha? Nesse ponto, a história já está pra lá de envolvente.

Outra questão importante a ser tratada é que esse livro é considerado um Steampunk. Mas o que é isso, afinal? A Literatura Steampunk é derivada da Ficção Científica de Júlio Verne, Mary Shelley, H. G. Wells entre outros. Sua principal característica é modificar o passado utilizando a tecnologia do futuro. Como se a humanidade tivesse se antecipado com suas invenções tecnológicas, por isso esse excesso de aparelhos mecanizados. Imagine uma história se passando em 1920 e pessoas sendo transformadas em robôs. É mais ou menos isso.

Além da história ter se desenvolvido de uma forma positiva, as ilustrações que aparecem no meio dos capítulos me deixaram extasiada. É pra se encantar. Acaba-se mergulhando mais fundo na história, e também me ajudaram a visualizar melhor toda essa mecânica dos personagens. Essa edição realmente não deixa nada a desejar. Aliás, deixa sim, fiquei desejando ter feito a arte gráfica desse livro! A diagramação é ótima, confortável, os capítulos são breves e significativos. Esse é o primeiro romance da autora Genevieve Valentine e certamente terei interesse em ler outros livros dela. 

Enfim, super indico a leitura, vale a pena sair da zona de conforto e se deparar com algo tão diferente, abstrato e sombrio.
O livro ainda vem com um convite individual para assistir o espetáculo, simplesmente incrível! Tudo muito bem pensando e lindo. Darkside está de parabéns pela edição.

Mais informações:
Titulo: O Circo Mecânico Tresaulti
Autor: Genevieve Valentine
Editora: Darkside
Páginas:320
Ano: 2013
Compre aqui

4 comentários:

  1. Livro lindo e caprichado!! Adorei!! Eu também tenho esse problema com livros, se gosto da capa, já me imagino amando a história. Mas a história parece sombria demais haha. Se eu já tive pesadelo enquanto lia Drácula... :p
    Bjo, Rita! Texto ótimo como sempre.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, eu também sou assim. Mas não tive pesadelos com essa história não (ainda bem!), mas ela incomoda um pouco.

      Adorei seu texto sobre o Drácula! :D
      Obrigada!

      Excluir
  2. Ah...qause comprei esse livro no fim de semana...
    E pela sua resenha, devia ter comprado, né? rs :)
    Adorei, muito bem escrito!
    Bjs, Lu
    http://resenhasdalu.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. A Darkside é tão caprichosa que dá gosto! Fiquei muito interessada logo quando vi a capa e li o título, até achei coincidência ele juntar títulos de dois dos meus livros favoritos: O Circo da Noite e Anjo Mecânico (primeiro livro da minha série favorita, no caso) HUAHAU Achei isso tão legal. Só li um Steampunk até agora, que foi "Alma?" e achei um estilo TÃO legal e curioso, amo quando as histórias se passam entre os séculos 18/20 e juntar com ficção científica, então, que combinação! Essa parte de misturar partes humanas com outros materiais me lembrou Marina, um livro maravilhoso do Zafón, não sei se já leu... Mas é meio assim também, tem essa pegada de terror, mas é cativante. Adorei! <3

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.