Admirável mundo novo



Levando em consideração todas as vezes que eu peguei/olhei/desejei esse livro antes de comprá-lo de fato, a experiência de lê-lo foi, de alguma forma, decepcionante. 
A história é ótima, incrível. Mas, sabe quando se espera demais do livro? Sabe quando a imaginação vai longe só de olhar pra capa? Pois é. Eu imaginava outra coisa.
O começo estava simplesmente empolgante, e eu me senti até nauseada pois percebi a semelhança da nossa sociedade com a sociedade que Aldous Huxley criou. 


Os humanos não nascem de humanos, são feitos aos milhares, artificialmente. Milhares de gêmeos idênticos. Uma sociedade divida por castas, onde a melhor casta foi bem preparada antes de "nascer" enquanto a pior casta foi maltratada antes de "nascer".
Existem coisas ali que incomodam bastante, como por exemplo os jogos eróticos para as crianças. Pois se preza a sexualidade, o indivíduo deve ter uma vida sexual muito ativa, com vários parceiros, para ser considerado membro real dessa sociedade. Caso contrário, é visto como um doente, anormal. 
Tudo  se cura com o soma, um comprimido que você toma e esquece de todos os seus problemas. É uma sociedade equilibrada e feliz. Não existe prazeres emocionais, a arte e a religião foram abolidas,toda história e descobertas de todas as áreas feitas até então foram esquecidas ou modificadas. Nada resta aos seres humanos a não ser os esportes e o soma. A vida é muito regrada e sistemática, a carga horária de trabalho é pesada, as pessoas não suportam ficar sozinhas, não pensam e são condicionados desde muito cedo a pensar apenas o que o governo quer. Eles usam a hipnopedia para formar a mente do cidadão. Ou seja, todos escutam a mesma mensagem durante o sono, por anos e anos, então, todos pensam exatamente da mesma forma. 
Isso tudo, ao mesmo tempo que incomoda, empolga pois queremos saber mais sobre isso e como vai acontecer o desfecho etc. Foi aí que minha decepção surgiu.
Essa sociedade é a civilizada pois existem também o selvagens, que vivem livres, como vivemos hoje. Assim eu imaginava. 
O que realmente me chamou atenção em meio a tudo isso foram as referências usadas nos diálogos: poesia, Shakespeare e filosofia entram em cena. Isso torna tudo tão... bonito. Em meio a tanto desgosto existe algo que vai além, que reconforta e que te faz refletir. Ou melhor, te faz mudar e consequentemente mudar o futuro. 
Parece que tudo nesse livro tem um equilíbrio. Os personagens não são tão interessantes como eu imaginava, não me apeguei á nenhum( o selvagem John foi o que mais me chamou atenção,claro) , e nem todos se encaixavam nessa sociedade repugnante, mas não rolou. Eles foram bem explorados, nada demais, mas faltou algo pra mim.
O final foi, de certa forma, surpreendente. Eu gostei.

Enfim, foi uma leitura muito válida e recomendo a todos, mas eu fiquei com um leve gostinho de decepção, mas vale a pena mesmo assim.
E você, já leu? O que achou?

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.