SELVA DE GAFANHOTOS - ANDREW SMITH


O que dizer sobre esse livro? Por incrível que pareça estou achando essa tarefa extremamente difícil, vou tentar fazer esse post em tópicos e depois fazer uma listinha de prós e contras (claro, lá vai a Rita fazer lista) pra tentar colocar meus pensamentos e sentimentos com relação à esse livro em ordem. Quero me expressar de forma que não pareça uma doida confusa e perdida na galáxia. Vai ser diferente de tudo que já fiz nesse blog mas esse livro é diferente de tudo que já li, então tá ok. 

Antes de começar, esse livro traz uma história do fim do mundo com personagens adolescentes: Austin, Robby e Shann. Eles moram em uma cidade chamada Ealing e certa noite, ao invadir o escritório da loja onde Austin trabalha eles se deparam com várias coisas sinistras, ex: bebês de duas cabeças, conteúdos inexplicáveis dentro de globos e um vírus. Esse vírus é roubado por outros garotos que deixam o globo cair sem querer, o conteúdo acaba entrando em contato com sangue humano e pronto, começou o fim mundo. No entanto, a narrativa não foca só nessa história do fim do mundo, também foca bastante no que está acontecendo com os personagens, seus sentimentos e conflitos.


Coisas importantes que você deve (ou não, sei lá) saber sobre esse livro:

- Austin ama a namorada, Shann, mas também ama seu melhor amigo, Robby. Ama ao ponto de imaginar todos peladinhos se pegando gostosinho.

- O Austin é o narrador dessa história, ele narra em primeira pessoa mas ao mesmo tempo é um narrador que sabe de absolutamente tudo. Ou seja, ele é um narrador em 1ª e 3ª pessoa ao mesmo tempo. Mucho loko, né?

- Austin é um adolescente louco por sexo. Tipo, muito louco. Hormônios, cara, muitos hormônios.

- O fim do mundo nesse livro chega através desse vírus que transforma pessoas em louva-deus gigantes, sanguinários e loucos por reprodução. (Ou seja, mais sexo, agora envolvendo insetos também!)

- Tem bastante sangue. Isso é sempre legal.

- Voltando ao primeiro tópico, o Austin se sente confuso com relação aos seus sentimentos. Ele sabe que é apaixonado por duas pessoas, um menino e uma menina, e não sabe exatamente como lidar com isso. Draminha adolescente básico.

- E é isso, por enquanto não consigo pensar em mais nada super relevante pra escrever aqui nos tópicos. Vamos à lista! 

LISTA DE PRÓS E CONTRAS - SELVA DE GAFANHOTOS:

PRÓS:

- A narrativa  é completamente diferente de tudo que já li.

- O livro é indefinível, não conseguimos falar que é um livro de sci-fi, um YA, ele é muitas coisas e isso é legal. Uma mistureba louca.

- É interessante a forma como o autor aborda a questão da sexualidade e dos conflitos sentimentais do personagem.

- Outro ponto positivo são os insetos gigantes, foi muito legal quando eles finalmente entraram em ação.

- Também é legal o aspecto cru da narrativa, sem rodeios. Se é pra falar de sexo, falemos de sexo. O autor não aborda os assuntos “delicados” de forma sútil, ele fala tudo na cara mesmo.

- Tem bastante sangue, e sim, preciso repetir por que isso é sempre legal. 

- Tudo é muito diferente nesse livro, querendo ou não, isso já vale muito a pena. Uma experiência maluca e sem dúvida, inesquecível. Mesmo com os aspectos negativos.

CONTRA:

- A narrativa é muito diferente e isso causa um estranhamento e uma confusão que infelizmente, não consegui me acostumar durante a leitura. Talvez seja diferente demais pra mim, louco demais.

- Ao mesmo tempo que é legal a forma como a sexualidade é abordada, ela me cansou um pouco. Não aguentava mais o Austin dizer que sente tesão. Sério, ele diz isso em quase todas as páginas.

- Existe muita repetição na história. Muita.

- Passei a maior parte do tempo perdida.

- Confesso que estava esperando algo com mais ação, e estava cansada de esperar o fim do mundo de fato chegar, queria muito ver os insetos gigantes e eles nunca apareciam.

- Comecei a achar o livro chato tantas vezes que perdi a conta, ai começava a achar legal, aí começava a achar chato de novo.

- Apesar de saber que se tratava de um livro YA, me frustrei mais uma vez com a quantidade de drama adolescente, no entanto, imagino que é exatamente isso que os adolescentes querem haha. 

Chega. Acho que escrevi mais ou menos tudo que me passou pela cabeça e que senti enquanto lia esse livro.  Como puderam ver, minha lista de prós e contras empatou e no entanto, não gostei tanto do livro como achei que poderia gostar. Porém, é um livro cheio de aspectos interessantes e o que é negativo pra mim, muitas vezes pode se mostrar positivo pra você durante a experiência de leitura. Com isso, se você tem vontade de ler esse livro, vá atrás. É uma experiência que vale a pena pois é algo extremamente diferente.  Se você já leu, me ajuda a preencher essa listinha aí  ;D








O HOMEM QUE CAIU NA TERRA - WALTER TEVIS


A DarkSide Books entrou em contato comigo outro dia comunicando que gostariam de me dar um presente - podem me imaginar dando gritinhos de alegria por que foi bem isso mesmo - e o livro em questão era O Homem Que Caiu Na Terra do Walter Davis - agora podem me imaginar dando gritinhos e fazendo a dançinha da alegria. Sim, rolou um momento crazy por aqui. Receber de presente um livro de Ficção Científica cuja história, que foi escrita em 1963, virou filme estrelando David Bowie como personagem principal é simplesmente sensacional  É pra surtar muito mesmo! (Amei o presente Darkside, pode mandar mais, viu?!) 

Agora que já passamos da fase de fangirl falando da Darkside e do Bowie, vamos ao que interessa: nesse livro somos apresentados à história profunda e perturbadora do Newton, um alienígena que veio do planeta Anthea com uma misteriosa missão para cumprir aqui na Terra. "Poxa, mais uma história de um alienígena vivendo entre nós?" Sim, eu entendo que parece meio batido, sei que já vimos histórias com esse tema milhares de vezes, no entanto a complexidade dos dilemas que Newton vai desenvolvendo ao longo da sua estadia aqui na Terra é bem interessante e no mínimo, perturbadora.

Uma vez que você se viu lendo essa história pode se preparar para ficar extremamente envolvido. Existe uma certa distância de alguns personagens, mas é impossível não se apegar ao Newton, o antheano. É incrível a forma como o autor vai nos apresentando ao personagem e aos seus dilemas. O Newton recebeu um treinamento antes de vir pra Terra, com isso ele achava que entendia muito bem os humanos, no entanto, quando chegou aqui viu que o buraco era muito mais embaixo, teve que aprender coisas na prática e se viu isolado nesse novo mundo. 

A história aborda essa questão da diferença, tema que acho muito importante discutir. O antheano não conseguia se sentir confortável na presença de seres humanos, se sentiu solitário e isolado. Porém, não precisamos ser alienígenas para nos sentirmos assim em algumas ocasiões. Acho interessante esse sentimento de solidão mesmo rodeado de pessoas, de não se encaixar, de ser considerado "diferente". Acho interessante justamente por que me sinto assim quase sempre, e sei que não sou só eu. Nem preciso dizer que me identifiquei muito com esse personagem, né?! 

Além da questão da diferença, essa história também vai abordar de forma interessante o que está sendo feito com esse lindo planetinha que chamamos carinhosamente de Terra. Outras histórias também nos apresentam esse tipo de questionamento, mas achei incrível a forma como o autor vai desenvolvendo o motivo de Newton ter vindo para cá e a forma como ele tenta mostrar como somos destrutivos. E o pior: nós sabemos que somos destrutivos, que estamos aos poucos destruindo nossa amada casa, no entanto, pouco nos importamos. Isso é difícil, dói perceber que realmente estamos trilhando um caminho nada legal para nosso planeta - e para nós mesmos, claro. 

A narrativa dessa história é simples e rápida, os capítulos são curtos e envolventes, eles se intercalam mostrando outros personagens relevantes para a história, mas sem nunca perder de vista as ações do nosso querido e estranho alienígena. É aquele tipo de livro delicioso, rápido e tem aquele toque de melancolia - que vocês já sabem que eu amo. Leitura mega recomendada. Caia junto com o Newton nessa história, você não se arrependerá. 

"Começou a sentir o que já sentira algumas vezes: uma letargia pesada, cansaço do mundo, uma fadiga profunda causada por esse planeta ocupado e destrutivo demais e todos os seus barulhos tremeluzentes. Sentia como se pudesse desistir de tudo, que tinha sido idiota, imensamente idiota em começar tudo aquilo vinte anos antes. Olhou em volta de novo, cansada. O que estava fazendo ali, naquele mundo estranho, o terceiro a partir do Sol, a centenas de milhares de quilômetros da sua casa? Levantou-se, desligou a televisão e voltou a sentar na poltrona ..."









RESUMO DA SEMANA #3


yaaay! Mais uma semana que se passou e tirei algumas fotos pra registrar. Aqui vai os principais acontecimentos da semana:

- recebi presente da Darkside Books.
- comecei a ver Game Of Thrones tudo de novo e estou mega viciada. Mega. Viciada. 
- comprei duas canetas maravilhosas na Vitrine42 e o mousepad mais perfeito do mundo. 
- e por fim, a visão das tarefas da semana no meu Bullet Journal. 












ONDE CANTAM OS PÁSSAROS - EVIE WYLD


Já me interessei por essa leitura logo quando soube que a autora abordava o tema da solidão. Gosto dessas coisas. É diferente, incômodo, nos faz sair da zona de conforto. Isso é bom e às vezes, ou quase sempre, precisamos de leituras assim. No entanto, quem me animou mesmo pra ler foi o Thiago Sposito, do canal BookBox Brasil, que propôs uma leitura coletiva. Leituras coletivas são sempre legais, saber que pode enviar uma mensagem para comentar sobre alguma coisa do livro com alguém que está lendo junto é um sentimento delicioso. Com isso, me animei para ler e como já era de se esperar, adorei. 

Antes de tudo preciso comentar um pouco sobre a história desse livro: somos apresentados à Jake White, uma fazendeira misteriosa que tem uma criação de ovelhas. Ela mudou-se para uma ilha britânica e vive sozinha, isolada de tudo e de todos. Uma personagem que gosta de estar sozinha, que precisa estar sozinha mas que carrega nessa solidão o peso do seu passado misterioso. Logo de cara já descobrimos que suas ovelhas estão morrendo de forma violenta e claro, Jake tenta descobrir o que está acontecendo e nós leitores somos jogados nessa floresta escura, cinzenta e sombia que é a vida de Jake. 

Enquanto ela tenta descobrir o que está acontecendo com as ovelhas nos capítulos ímpares, os capítulos pares nos apresenta o passado dessa personagem. Mas não de forma simples ou convencional, longe disso. Conforme os capítulos pares vão avançando a autora vai nos contando o passado cada vez mais distante, vamos regredindo na história da personagem aos poucos. Já peço desculpas pela linguagem mas isso foi FODA. 

Motivo 1: a Evie Wyld faz isso de forma genial com uma narrativa envolvente, impossível de largar.Motivo 2: somos nocauteados, ficamos confusos e perdidos tentando montar um quebra-cabeça que à princípio parece não ter solução. Parece faltar peças. Eu fiquei desesperada tentando montar tudo, tentando entender e aos poucos fui conseguindo, me vi totalmente presa à história, totalmente cercada pelo mundo solitário e sombrio de Jake. Algumas cenas me engoliram ao ponto de sentir aquele calafrio incômodo. Me senti ao lado da personagem o tempo todo. 

Ok: já sabemos que essa história vai dividir os capítulos e com isso vai moldando a história da personagem no presente e no passado.  Só resta saber que se trata de uma história um tanto quanto violenta narrada de uma forma crua, sincera e direta. Passei um nervoso lendo esse livro, principalmente na parte que diz respeito ao passado da Jake. Ao presente também. Impossível ficar indiferente e não se sentir tenso com a história. Outra coisa que precisamos saber: a Jake é aquele tipo de personagem totalmente misteriosa. O passado dela é envolto em uma neblina gelada e pegajosa, nos vemos completamente malucos para adentrar nessa neblina e descobrir tudo. 

Se você acha que esse negócio de ler uma história que mistura presente e passado não é pra você, dê uma chance à Evie Wyld, quem sabe rola! Ela sabe contar uma história, tanto é que já ganhou vários prêmios. Eu, certamente vou querer ler tudo que essa mulher escrever. Porém, ao mesmo tempo que isso é um ponto positivo, pode ser um ponto negativo também pois não são todos os leitores que vão se adaptar à essa história. Como eu disse, fiquei perdidaça, confusa e claro, não é todo mundo que acha isso legal. Mesmo assim, eu recomendo você se aventurar,  sair da zona de conforto. 







QUANTO AO FINAL DO LIVRO


Claro que não vou contar o que aconteceu no final, mas quero fazer alguns comentários, portanto se você ainda não leu... cuidado

Algumas pessoas vieram me falar que não gostaram do final, outras comentaram que criaram um final diferente para ficarem mais satisfeitas. Eu entendo completamente essas pessoas, esse livro tem um final que pode aborrecer muita gente, no entanto, me pareceu perfeito junto com o clima da história. Eu adoro histórias que tem finais que parecem que não acabou de verdade, esse tipo de história deixa um rasgo em nós, acredito que é por isso que tanta gente se incomoda. Essas histórias não saem de você tão fácil assim, pois na sua mente, ela não se fechou, não acabou. E por que essa necessidade de querer que as coisas se fechem, se concluam e acabem de vez? Eu adoro esse gosto forte de quero mais, a ferida aberta, por isso posso falar que gostei do final. Gostei do livro todo. 


SETEMBRO TBR | O QUE PRETENDO LER


Yaay, mais um mês, mais uma lista de livros que quero devorar. Adoro esse momento e claro, sempre exagero um pouco na quantidade de livro mas até onde sei, não custa nada sonhar, não é mesmo? E dessa vez, com todos os livros novos e tudo mais, a lista cresceu ainda mais. A parte boa é que o blog é parceiro da Companhia das Letras  e já fui em um evento deles onde ganhei alguns livros, é muito amor, viu. 

QUERO CONTINUAR A LER

E como muitos já sabem, eu estou lendo dois lindos calhamaços, Outlander e O Conde de Monte Cristo, e pretendo continuar a leitura deles assim como também quero continuar lendo Orange - um mangá fofo - e quero terminar o livro de contos Iniciantes, do Raymond Carver. 

• Outlander, A Líbelula no Âmbar - Diana Gabaldon
• O Conde de Monte Cristo - Alexandre Dumas
• Orange - Takano Ichigo
• Iniciantes - Raymond Carver


O QUE PRETENDO COMEÇAR (E TERMINAR TALVEZ)

• Onde cantam os pássaros - Evie Wyld
• Budapeste - Chico Buarque
• Cândido ou o otimismo - Voltaire
• O mundo perdido - Michael Crichton
• O problema dos três corpos - Cixin Liu
• Atlas de nuvens - David Mitchell 
• Selva de gafanhotos - Andrew Smith